Eficiência em períodos de transformação

Fonte: Google.com

Estamos vivendo um momento de tanta incerteza e instabilidade que o noticiário passou a ter mais ibope que o futebol, a novela ou a Kéfera. Como fazer negócios em um ambiente tão instável? Como sobreviver, e talvez até prosperar? Será que a crise ainda vai longe?

Para responder a estas e outras perguntas, quebrar esse clima de pessimismo e partir para a ação, reunimos grandes empresários em um evento aqui no nosso escritório, no dia 31 de março.

Clique aqui e confira o video do evento

Comportamento do consumidor: o brasileiro parou de comprar?

Fonte: Google.com

Se você tem um negócio ou trabalha para algumas marcas, sabe o quanto este clima de instabilidade política e econômica afeta a tomada de decisões – tanto de quem compra quanto de quem vende. Quando a situação fica meio nebulosa, é importante parar, entender as mudanças no comportamento do consumidor e ajustar sua estratégia para a nova realidade.

E em que o brasileiro começa a economizar? Será que ele fecha de vez a carteira e passa a comprar apenas itens de primeira necessidade? Definitivamente não é o que nossos insights mostram.

Com a ascensão econômica da classe C, a sociedade brasileira passou por uma grande transformação e se tornou bem mais inclusiva. As pessoas começaram a ter acesso a novas tecnologias, produtos de bem maior qualidade, fazer viagens diferentes, viver experiências com mais conforto. O que vemos é que elas não estão dispostas a abrir mão disso tão fácil assim.

Quando a grana fica curta, em vez de deixar de consumir, as pessoas encontram maneiras mais inteligentes de comprar.

Por exemplo, neste mês João está meio apertado, mas precisa de um tênis novo e tem uma marca favorita. Ele poderia até usar uma outra um pouco mais barata com o mesmo conforto, mas vestir aquela marca lhe dá um certo status e isso é importante para ele. O que ele faz?

Primeiro, compara os preços do modelo que ele quer.

Se ao comparar os preços João percebe que ainda está pesado para o bolso, ele tem uma outra saída: procurar por um produto usado em boas condições. Ou seja, abrir mão do que ele quer fica em último lugar na lista.

Outra mudança interessante é a disposição do consumidor para colocar a mão na massa na hora de economizar com serviços. Será que é uma oportunidade que você está deixando passar? Por exemplo, digamos que as vendas de sua marca premium de amaciante tenham caído e que uma das tendências que notamos foi o aumento significativo nas buscas por “como fazer amaciante caseiro?”.

Será que não é a hora de criar uma marca de combate mais acessível até o consumidor recuperar seu poder de compra? Ou será que você deve ser mais ousado e tentar aproveitar a situação para alavancar sua marca de condicionador de cabelo mais barata, já que esse é o principal ingrediente das receitas caseiras de amaciante? Seja qual for sua resposta, saber como o consumidor está se virando para contornar a redução de seu poder de aquisitivo é essencial na hora de criar uma estratégia.

Buscas por soluções caseiras

Além de ser uma ótima ferramenta para planejar a melhor das compras, o ambiente digital também se transforma em um excelente meio para conseguir uma renda extra e bancar as necessidades de consumo. Um bom exemplo é o aumento no número de pessoas oferecendo acomodações pelo Airbnb. Ana está louca para viajar, mas está quebrada. Então ela pensa naquele quarto da casa que estava cheio de caixas, dá uma arrumada nele e o anuncia no site. Ela começa a receber hóspedes e usa o dinheiro que ganha para a viagem que tanto queria fazer.

Fontes de renda online

Esses insights são apenas alguns exemplos. O aprendizado mais importante para empresas e marcas é saber que uma retração econômica não paralisa o consumidor, apenas o faz comprar de maneira menos impulsiva e mais consciente.

A grande virada está em abraçar essas mudanças, e o Google tem profissionais e ferramentas para ajudá-lo a explorar essas novas possibilidades. Observando as tendências de comportamento do consumidor, você pode colocar sua marca onde ela precisa estar, como tem que estar e na hora certa para impactar seu público.

Comunicação Eficaz no Ambiente de Trabalho – TJ SP

TJSP promove palestra sobre comunicação no ambiente de trabalho

A Sala do Servidor do Fórum João Mendes Júnior recebeu hoje (3) palestra sobre o tema Comunicação eficaz: motivando pessoas e organizações, proferida pelo especialista Guilherme Armando Contrucci. O evento foi organizado pela Coordenadoria de Apoio aos Servidores (Caps), com a colaboração da Escola Judicial dos Servidores (EJUS).

O juiz assessor da Presidência Roberto Chiminazzo Júnior abriu a palestra e deu boas-vindas ao convidado. “Exposições como essas são muito importantes para o desenvolvimento do nosso trabalho, pois podemos interagir com outros servidores e tornar nosso dia mais agradável”.
Guilherme Contrucci falou sobre a importância da boa comunicação nas relações interpessoais e também no ambiente corporativo. Segundo ele, os ruídos produzidos durante as tentativas de comunicação são os maiores causadores de conflitos entre as pessoas e, por isso, é preciso atenção durante o processo para que haja correto entendimento entre os interlocutores. “Estudiosos dizem que utilizamos 70% do nosso tempo para nos comunicar, seja escrevendo, falando, ouvindo ou gesticulando, e muitas vezes não conseguimos nos fazer entender, o que gera conflitos interpessoais. É preciso codificar corretamente a mensagem para que o interlocutor a entenda e consiga um bom feedback dessa comunicação”, explicou.

O palestrante falou, também, sobre um tema bastante atual, que envolve principalmente os mais jovens e causa grande dificuldade na compreensão das mensagens. “As novas gerações têm utilizado, para sua comunicação, símbolos e palavras abreviadas, o que dificulta o correto entendimento. A linguagem é uma grande barreira para uma boa comunicação e ela, infelizmente, está muito banalizada. A responsabilidade da boa comunicação é do emissor e, por esse motivo, a atenção à linguagem é fundamental. O conhecimento é algo que não ocupa espaço”, concluiu.

Ao final da palestra – acompanhada por 1.306 participantes, sendo 236 na Capital e 1.070 por transmissão online – o convidado recebeu certificado de participação do TJSP.

fonte: Comunicação Social TJSP – AM (texto) / RL (fotos)
imprensatj@tjsp.jus.br

As palavras que empreendedores de verdade nunca dizem

Empreendedores são os heróis dos tempos atuais. Eles fazem do mundo um lugar melhor. Você acha essas afirmações um pouco ousadas? Pois são. Mas são também precisas. O computador que você está usando neste instante? Criado por um empreendedor. Os tênis que você veste antes de correr para ser saudável e dar o melhor de si durante o dia? Desenhados e feitos por um empreendedor!

Praticamente todas as coisas que você utiliza para maximizar a eficiência e as experiências de seu dia são invenções geniais de empreendedores. Eles são considerados heróis dos tempos atuais porque vivem em função de seus anseios mais profundos: anseios para inventar, para revolucionar, para criar e para construir produtos que nos ajudam a conectar, a mover, a comer, a compartilhar, a dirigir, a trabalhar, a jogar e a resolver grandes problemas.

Eles fazem do mundo um lugar melhor por meio da construção de soluções e de serviços que enriquecem nossas vidas e as fazem mais excitantes, significativas, fáceis e confortáveis. Eles são os criadores das invenções não porque sentem que deveriam ser assim, mas porque eles devem ser assim.

Empreendedores não sabem como desligar seu gene da inovação. Eles não conseguem deixar de descobrir o que ainda não foi descoberto, de construir produtos a partir do mais puro desejo, e de acender suas chamas de engenhosidade. Eles são os solucionadores de problemas, os pensadores, os pioneiros, e é sua disposição para deixar a zona de conforto de uma vida centrada no “deveria” que os fazem heróis.

Em nossas experiências contemporâneas de vida, o “deveria” soa como: “Eu deveria fazer esse trabalho porque foi isso que meu pai fez. Eu deveria estudar naquela escola tradicional porque é isso que meus pais esperam de mim. Se eu não fizer isso, eu os desapontarei. Eu deveria estar ganhando determinada quantia de dinheiro, porque se não o fizer, outras pessoas não vão acreditar que sou bem-sucedido. Eu deveria comprar aquela casa, fazer aquela viagem e dirigir aquele carro, para que assim meus amigos e minha família se impressionem comigo”.

Esse “deveria” consiste em um conjunto de mentiras. Empreendedores sabem disso. Os dias de uma vida centrada no “deveria” acabaram. Eles servem apenas para nos trazer sofrimento (coletivo e individual), assim como diminuir o que é possível para todos nós atingirmos.

Goste ou não, quando começarmos a viver do que carregamos por dentro, e não de nossas aparências, essa será a única maneira de fazer nossa parte para tornar o mundo um lugar melhor.

É preciso seguir a intuiçãoOs fundadores das maiores companhias de sucesso não estão vivendo em uma terra de “eu deveria”. Eles vão além dos limites para seguir seus corações. Eles ouvem suas intuições e dão atenção a seus chamados pessoais. Como resultado disso, eles criam produtos e serviços a partir de mentalidades genuínas e autênticas. Também precisamos começar a viver dessa forma, se quisermos mais coisas boas no mundo.

Nossas intuições para viver de forma autêntica não são nada diferentes dos empreendedores que oferecem ao mundo sua engenhosidade explosiva. Em voz alta, ou silenciosamente, nossas vocações pessoais para darmos mais, para sermos mais e para vivermos de forma mais significativa estão a nos chamar.

Esses chamados estão nos empurrando para considerar o que nos inspira, para realizarmos as o que nos faz sentir livres. Eles não estão nos empurrando para viver uma busca de provações. Nossas vocações não nos levam a existir para satisfazer as expectativas dos outros em relação a nós. Elas nos chamam para nos guiar por nossas próprias jornadas heroicas, o que quer que seja que isso signifique para cada um de nós.

Assim como esses fundadores dão atenção aos chamados para seguir suas paixões e fazer seus produtos e marcas, nós também podemos e devemos embebedar o trabalho que fazemos de paixão. Eles conseguem juntar intelectualidade e intuição, e nós também. Eles entendem seus consumidores em seu âmbito mais íntimo, além de terem compaixão por suas necessidades.

Nós precisamos passar a entender melhor nossas comunidades, e começar a viver com mais compaixão. Eles estão a serviço da humanidade quando dão ao consumidor algo com o qual ele se identifica, com o qual ele se sente conectado, e ao produzir algo que satisfaz uma necessidade ou desejo. Nós precisamos estar a serviço também, compartilhando nossos talentos e dons, bem como vivendo diariamente por meio de nossos corações.

Assim, como empreendedores, nós somos constantemente convocados. Convocados a inovar, a revolucionar, a seguir nossas vidas com significado e propósito. Está na hora de responder a essas convocações. Está na hora de nos tornarmos heróis dos tempos modernos, fazendo nossa parte para tornar o mundo um lugar melhor. Não porque deveríamos, mas simplesmente pelo fato de que devemos.

Autoria: David Howitt é CEO e co-fundador do Meriwether Group.

Conteúdo originalmente publicado em inglês no Unreasonable Institute e em português no Portal de Empreendedorismo da Endeavor.

Palestra: “O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância” auxilia o corretor de seguros no Brasil

Por Coordenadoria de Comunicação Social   |   3 de Dezembro de 2013 às 16:18

Estão abertas as pré-inscrições para o Curso para Habilitação de Corretores de Seguros, oferecido pela Escola Nacional de Seguros em 60 localidades. Quem ainda tem dúvidas sobre a profissão e o mercado de seguros pode saná-las na palestra gratuita que a instituição realiza em dezembro, em diversas cidades, para divulgar o curso.

Intitulada “O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância”, a palestra acontece nos dias 5, em Duque de Caxias (RJ), 10, em Três Lagoas (MS), 11, em Niterói (RJ), e 12, em Franca (SP). A confirmação de presença deve ser feita aqui.

Os encontros serão apresentados alternadamente por Guilherme Contrucci, consultor em Seguros e Previdência e apresentador do programa WebSeguros da TV UOL, e Bruno Kelly, membro do Conselho Executivo do Centro Brasileiro de Engenharia de Risco e Tecnologia de Incêndio (CBERTI) e sócio da Correcta Consultoria.

SERVIÇO

Palestra: “O Crescimento do Mercado de Seguros e sua Importância”

Cidade: Duque de Caxias (RJ)
Data e horário: 5 de dezembro, quinta-feira, às 9h
Local: Rua José de Alvarenga, nº 572 – Centro
Informações: secretariarj@ens.edu.br

Cidade: Três Lagoas (MS)
Data e horário: 10 de dezembro, terça-feira, às 19h
Local: Avenida Antônio Trajano, nº 1313 – Lapa
Informações: (41) 3264-9616 e (41) 3263-3106

Cidade: Niterói (RJ)
Data e horário: 11 de dezembro, quarta-feira, às 9h
Local: Alameda São Boa Ventura, nº 824 – Fonseca
Informações: secretariarj@ens.edu.br

Cidade: Franca (SP)
Data e horário: 12 de dezembro, quinta-feira, às 19h
Local: Rua Estevam Leão Bourroul, nº 2069 – Centro
Informações: (16) 3620-2200 e unidaderpreto@ens.edu.br